Voluntários assumem compromisso de honra

. quinta-feira, 22 de fevereiro de 2007
  • Agregar a Technorati
  • Agregar a Del.icio.us
  • Agregar a DiggIt!
  • Agregar a Yahoo!
  • Agregar a Google
  • Agregar a Meneame
  • Agregar a Furl
  • Agregar a Reddit
  • Agregar a Magnolia
  • Agregar a Blinklist
  • Agregar a Blogmarks


Após um programa de formação intenso, 27 candidatos vão fazer o seu compromisso de honra como voluntários da Cruz Vermelha. A cerimónia está marcada para domingo e é mais um sinal da dinâmica que caracteriza o Núcleo de Pereira.
São jovens, rapazes e raparigas, oriundos dos concelhos de Montemor-o-Velho, Penacova, Coimbra, Condeixa e Soure. Move-os a vontade de ajudar o próximo e, por isso, apresentaram-se como candidatos a voluntários do Núcleo de Pereira da Cruz Vermelha.
A formação dos 27 jovens começou, de acordo com o presidente da direcção do Núcleo, há seis meses e, mais do que prolongada no tempo, é «exigente», sublinha António Rasteiro, porquanto o objectivo é preparar, o melhor possível, homens e mulheres para ajudarem a salvar vidas. Às aulas teóricas sucederam-se as aulas práticas, contemplando as áreas de socorrismo em geral, socorrismo rodoviário, orientação e formação militar, sem esquecer a história da Cruz Vermelha.

A cargo de formadores de reconhecida competência, esta preparação foi toda ela desenvolvida na sala de formação do Núcleo de Pereira.Terminada esta etapa, os 27 voluntários vão, agora, viver um momento marcante das suas vidas, com a cerimónia de compromisso de honra, a realizar no próximo domingo, no qual assumem como seus os valores e o lema que orientam a Cruz Vermelha.

A cerimónia está marcada para as 15h00, no Núcleo de Pereira da Cruz Vermelha, e conta com a presença do secretário de Estado da Administração Interna, governador civil de Coimbra, presidente da Câmara de Montemor, vereadores do executivo e presidentes das juntas de freguesia de Pereira, Santo Varão, Arzila, Ameal e Figueiró dos Campo.
Investimento garanteestrutura operacional

Visivelmente satisfeito está o presidente da direcção do Núcleo, pois é notório e crescente o atractivo que o serviço aos outros exerce sobre um grupo cada vez mais alargado de jovens. No ano passado, em Maio, depois de mais um período de formação, o Núcleo recebeu mais uma “mão cheia” de voluntários, situação que agora se volta a repetir. Sinais de um «crescimento gradual e sustentado» que o presidente da direcção defende desde 2003, altura em que assumiu as rédeas da instituição.Exigente e ambicioso relativamente àquilo que entende deve ser o trabalho a desenvolver pela Cruz Vermelha, António Rasteiro empenhou-se de corpo e alma em reunir as melhores condições para o trabalho dos seus homens e mulheres. Por isso, em meados do ano passado, após profundas obras de remodelação, a antiga escola primária surgiu completamente renovada para acolher, fruto de um contrato de comodato, o Núcleo da Cruz Vermelha. Uma etapa importante na dinâmica do Núcleo, reconhece o presidente, pois criaram-se as condições, em termos logísticos e de bem-estar, para a prestação de um serviço de qualidade. «Desde 2003 o investimento realizado é superior a 500 mil euros», recorda aquele responsável, que não se cansa se elogiar o «inexcedível apoio do presidente da Câmara de Montemor-o-Velho».

Fruto desse investimento, o Núcleo de Pereira funciona 24 sobre 24 horas, conta com mais de cinco dezenas de voluntários e tem uma frota de 12 viaturas, onde se inclui uma ambulância medicalizada, recentemente adquirida, que é a “menina dos olhos” dos responsáveis, dadas as possibilidades de assistência que oferece, fundamentais em casos mais críticos, e que assume uma importância acrescida tendo em conta que não existem muitas destas ambulâncias no distrito. De resto, afirma António Rasteiro, 70 por cento do parque de viaturas é praticamente novo.

Mas, apesar das excelentes condições em termos de infra-estruturas, o presidente entende que o grande valor, responsável pelo bom trabalho que o Núcleo tem vindo a desenvolver em todo o distrito «é, sem dúvida, o capital humano», sublinha, num claro elogio aos homens e mulheres de boa vontade que elegeram a Cruz Vermelha de Pereira como “casa” e o serviços aos outros como bandeira.


Texto retirado de: Diário de Coimbra