“Espaço J” nasceu para apoiar jovens de Soure

. quinta-feira, 29 de março de 2007
  • Agregar a Technorati
  • Agregar a Del.icio.us
  • Agregar a DiggIt!
  • Agregar a Yahoo!
  • Agregar a Google
  • Agregar a Meneame
  • Agregar a Furl
  • Agregar a Reddit
  • Agregar a Magnolia
  • Agregar a Blinklist
  • Agregar a Blogmarks


O “Espaço J”, criado em cooperação pela escola secundária e o centro de saúde de Soure, procura incutir a adopção de comportamentos saudáveis entre os jovens.
.
“J” de jovem, pois este é um espaço que foi criado para apoiar os jovens. Nasceu no dia 27 de Fevereiro de 2004, na Escola Secundária Martinho Árias. Resultou de um protocolo de cooperação entre a escola e o Centro de Saúde de Soure e conta com a participação de profissionais das áreas do ensino, da enfermagem, da medicina, do serviço social e da psicologia. As responsáveis são, na área da saúde, a enfermeira Florbela Paiva, e na área do ensino a professora Maria João Machado.
.
A iniciativa – que será um dos projectos a apresentar no “Forum 07”, organizado pelo Conselho Regional do Centro da Ordem dos Enfermeiros, que se realiza a 10 e 11 de Maio, em Coimbra – tem como principais objectivos “promover comportamentos saudáveis dotando os jovens de competências nas tomadas de decisão e sinalizar e apoiar jovens com problemas”, refere a enfermeira Florbela Paiva. No momento, o Espaço J tem como instituições colaboradoras a Câmara Municipal de Soure, o Centro de Aconselhamento e Detecção Precoce do VIH de Coimbra, contando ainda com o apoio da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra.
.
Actividades diversificadas
.
As actividades que o Espaço J dinamiza são diversificadas, procurando não só formar, mas também motivar e sensibilizar os jovens para questões inerentes à sua saúde. Algumas dessas actividades são formais, como a realização de rastreios, sessões de educação para a saúde para alunos, para professores, para pessoal não docente, encarregados de educação e profissionais de saúde, explica a enfermeira Florbela Paiva. Outras são menos formais, como a criação de um centro de recursos informativos (vídeos, cd rom, livros, folhetos...), um e-mail (para melhor acessibilidade), uma caixa para perguntas anónimas, um jornal de parede para resposta a essas questões ou outras informações importantes, visitas de estudo, actividades de voluntariado e concursos.
.
As actividades mais recentes incluem estudos de investigação e a constituição de um grupo de alunos para desenvolver a formação interpares. As áreas de intervenção incluem a sexualidade, a alimentação, a diabetes mellitus, a hipertensão arterial, obesidade, as perturbações na coluna vertebral do jovem, os comportamentos aditivos e o voluntariado jovem.
.
Até ao momento foram realizadas cerca de 60 sessões educação para a saúde na escola, envolvendo alunos, professores e pessoal não docente, e uma no centro de saúde para enfermeiros.
.
Dos rastreios efectuados foram detectados um caso de hipertensão, um caso de diabetes descompensado e cinco casos de obesidade. No ano de 2006, 10 jovens iniciaram a consulta de planeamento familiar, foi orientada para a consulta de planeamento familiar uma jovem com comportamentos sexuais de risco, e para o IDT de Coimbra um jovem.
.
Foram realizadas duas visitas dos jovens à Santa Casa da Misericórdia de Soure e uma visita à escola pelos idosos e decorreram duas visitas à Associação Sol Nascente. Três pirâmides alimentares e de brinquedos foram distribuídas por famílias carenciadas locais e foram realizados dois estudos de investigação (alcoolismo e alterações músculo-esqueléticas vertebrais dos adolescentes), entre outras iniciativas.
.
Procurando responder de forma mais eficaz às necessidades dos jovens, realçadas com este projecto, foi criado o Centro de Atendimento a Jovens (CAJ) em Dezembro de 2006, que segue actualmente 26 jovens. “Cremos que apenas uma intervenção planeada e consistente pode sensibilizar os jovens. Esses são os princípios norteadores do projecto Espaço J, que em constante evolução procura como finalidade máxima a promoção de comportamentos saudáveis”, afirma a enfermeira Florbela Paiva.