FATACIS dá a conhecer nova Associação Empresarial de Soure

. sexta-feira, 21 de setembro de 2007
  • Agregar a Technorati
  • Agregar a Del.icio.us
  • Agregar a DiggIt!
  • Agregar a Yahoo!
  • Agregar a Google
  • Agregar a Meneame
  • Agregar a Furl
  • Agregar a Reddit
  • Agregar a Magnolia
  • Agregar a Blinklist
  • Agregar a Blogmarks



A tradicional festa do S. Mateus, em Soure, começa hoje e decorre até terça-feira. Este ano, há a assinalar uma viragem na Fatacis – Feira de Artesanato, Turismo, Agricultura, Comércio e Industria. O certame é organizado pela recém-criada Associação Empresarial de Soure (AES) e as entradas são a pagar.
.
O S. Mateus é a festa de referência do concelho de Soure. A matriz do programa é semelhante à dos anos anteriores, mas começa a ganhar tons de modernidade, nomeadamente com a introdução de novas tendências musicais e de animação nocturna, como é a noite de Djs, amanhã.

.
Integrada no programa, regressa a Fatacis, também com modificações assinaláveis, a começar pela organização, que, pela primeira vez, é da responsabilidade da nova Associação Empresarial de Soure (AES), mantendo-se a Câmara Municipal de Soure como responsável pela programação tradicional.

.
Carlos Mendes, engenheiro informático e proprietário de um estabelecimento de informática sedeado na vila, é o presidente da AES. Segundo disse ao “Campeão”, a classe empresarial sourense, do mais simples comerciante ao grande industrial, precisava de uma estrutura, independente, que zelasse pelos seus interesses. A associação formou-se no início do ano e deu-se a conhecer através de seminários, “com lotação esgotada”.

.
O convite para a AES organizar a Fatacis partiu do executivo camarário, liderado por João Gouveia, e foi, desde logo, encarado como “um grande desafio à capacidade de execução, competência e empenho” da nova estrutura, apostada em “agitar Soure”, no sentido da modernização do meio empresarial e da abertura de horizontes.

.
Fazer diferente e bem, é o desafio. Ao contrário do que era habitual, a Fatacis passa a ter entradas pagas, o que à partida gera uma incógnita relativamente à adesão do público. Carlos Mendes está confiante no programa de animação, preparado para a agradar a quase todos os gostos.

.
Quem gosta de ritmos brasileiros terá a bahiana Cristiane Sollari na noite de segunda-feira; uma das figuras de cartaz da festa. Amanhã, a aposta é na juventude, com a Noite Dj – Dance TV; a música estará por conta de djs conhecidos e prolongar-se-á até ao amanhecer, com um after hours, perto das cinco da manhã. Ainda nas novas sonoridades, destaca-se a noite de sábado, com Kussondulola e Ez Special. A dupla Miguel e André dão um toque romântico à noite de domingo.
.

Vila em movimento
.
A montra de empresas, propriamente dita, conta com a participação de sete dezenas de expositores, distribuídos por outros tantos stands. Enquanto os adultos visitam a feira, as crianças podem ficar entregues aos cuidados de animadores, num parque de insufláveis. Haverá tasquinhas, dinamizadas por empresários de restauração, uma outra novidade na Fatacis, que, normalmente, costuma ter muitos adeptos entre os visitantes deste tipo.
.
Parte da animação do S. Mateus, sobretudo a de cariz tradicional, terá um palco na Praça da República, junto aos Paços do Concelho. Nele actuarão as filarmónicas e os ranchos folclóricos, que no domingo, à tarde, têm um encontro de âmbito concelhio.
A descentralização da festa permitirá um vaivém de pessoas pela vila, que, na opinião de Carlos Mendes, poderá ser bom para o comércio local.
Juntamente com a Fatacis decorrerão as tradicionais Feiras da Madeira, Cebolas e Nozes e o Café À Moda Antiga, servido em cafeteiras, realiza-se amanhã, numa organização da Associação de Defesa do Património Natural e Cultural de Soure. O que também não falta no programa tradicional é o Dia da Família Sourense, na terça-feira, em que todos são convidados a fazer piquenique no Parque de Merendas de S. Mateus.


.
Empresas de Soure vão ter
portal na Internet em 2008

.
Depois de mostrar serviço com a Fatacis, a AES vai dedicar-se ao portal que no primeiro trimestre de 2008 pretende pôr online, com o endereço www.aesoure.pt. Divulgar as empresas e os empresários de Soure, é o principal objectivo deste projecto que, segundo Carlos Mendes, já está a ser trabalhado.
.
A Internet é um dos diversos meios que a AES pretende pôr ao serviço dos empresários, sendo que é o de maior alcance, se pensarmos que através da rede uma empresa de Soure pode ser conhecida em qualquer parte do mundo.
Um catálogo de empresas e campanhas através de painéis publicitários (outdoors) são outros meios que a associação pretende colocar ao serviço dos seus associados, no sentido de chamar a atenção do público em geral para a oferta empresarial do concelho.

.
A realização de seminários, a celebração de protocolos entre empresas para a criação de um cartão de desconto e entre empresas e entidades ligadas à formação profissional são outras iniciativas que a AES pretende levar por diante.

.
Segundo Carlos Mendes, de 36 anos, está a surgir no concelho uma vaga de jovens empresários, com ideias novas, que interessa potenciar. Com eles estão a aparecer novos conceitos na oferta, na decoração das lojas e no funcionamento. Ainda assim, o empresário, natural de Soure, tem encontrado entre os mais antigos “pessoas com ideias interessantes e abertas à mudança”.
Porque gosta “bastante” da terra onde nasceu e vive, Carlos Mendes espera que a associação contribua para a melhoria das condições de trabalho dos empresários, de modo a que os que estão se sintam bem, e queiram permanecer, e a que outros se possam estabelecer também.
A AES “não tem motivações políticas”, assegura o empresário, e quer “afirmar-se, apenas, pelo trabalho que se propõe concretizar em prol dos empresários”. A AES também não quer ter protagonistas, afiança o empresário, que, para além de recusar a fotografia, fala dos dirigentes como um grupo de trabalho “em que todos têm participação activa”.

.
Ainda que os organizadores sejam empresários, a Fatacis é algo de novo que tiveram de aprender a gerir. Carlos Mendes assume que nunca teve de organizar nada semelhante e que esta está a ser uma tarefa bastante árdua, para quem tem uma profissão de grande responsabilidade, “mas não impossível”.Para já, regista com “bastante agrado” o facto de os empresários começarem a procurar a Associação. Os seminários realizados no início tiveram lotação esgotada, o que pode ser um indício de um tecido empresarial que se quer informado e preparado para os desafios que a modernização do sector impõe.

.
.
IN Campeão das Províncias