A velha questão do IV e do IIII

. quarta-feira, 31 de outubro de 2007
  • Agregar a Technorati
  • Agregar a Del.icio.us
  • Agregar a DiggIt!
  • Agregar a Yahoo!
  • Agregar a Google
  • Agregar a Meneame
  • Agregar a Furl
  • Agregar a Reddit
  • Agregar a Magnolia
  • Agregar a Blinklist
  • Agregar a Blogmarks


Como nem sempre vemos as coisas com olhos de ver, alguém nos chamou a atenção para a representação do quatro no relógio da igreja na foto, em Soure. As pessoas aprendem na escola que o quatro em numeração romana se escreve IV e depois aparece-lhes o dito algarismo nos mostradores representado por quatro “is” - IIII.
.
O facto não é exclusivo de Soure, pois até no relógio da manuelina Sé Catedral do Funchal o quatro romano escreve-se assim: IIII. As tentativas de explicação deste suposto erro leva-nos precisamente à época dos romanos, que consideravam uma irreverência utilizar o IV, por ser esta a primeira sílaba de IVPITER (Júpiter, o deus mais importante).
.
Esta “tendência” terá terminado na Idade Média, em que se começou a escrever o quatro como IV, acabando por ser retomada em plena era industrial devido a um acidente de comboio ocorrido em Inglaterra. Consta que o operador de uma estação ferroviária, que deveria deslocar os trilhos para uma determinada posição, viu o horário errado no relógio porque o ponteiro dos minutos se alinhou com o I do IV. Por causa desta tragédia, os fabricantes de relógio terão decidido convencionar o quatro como IIII.
.
.
In Campeão das Províncias