Um centenário atípico

. terça-feira, 20 de novembro de 2007
  • Agregar a Technorati
  • Agregar a Del.icio.us
  • Agregar a DiggIt!
  • Agregar a Yahoo!
  • Agregar a Google
  • Agregar a Meneame
  • Agregar a Furl
  • Agregar a Reddit
  • Agregar a Magnolia
  • Agregar a Blinklist
  • Agregar a Blogmarks


A Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários do Concelho de Soure está a comemorar o seu centenário. Um centenário “sui generis”, uma vez que a instituição tem 117 anos. Livro ontem apresentado explica a situação.
.
Catorze de Abril de 1934. É esta a data de fundação que consta nos últimos estatutos que a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários do Concelho de Soure (AHBVCS) tinha em seu poder até há bem pouco tempo. No entanto, em 2003, a associação teve conhecimento “da existência, na Biblioteca Municipal de Soure”, de um livro, intitulado “Soure, a terra abençoada da pátria”, da autoria de Augusto dos Santos Conceição (1942). Obra que revelava que “algo mais existia na associação”, afirmou Manuel Morgado Martins, presidente da direcção da AHBVCS. De acordo com o livro, em 1890, havia sido fundada a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários Sourenses. Para tirar dúvidas, “foi solicitada ao Governo Civil de Coimbra uma cópia autenticada dos estatutos e do alvará”, onde se descobriu que, afinal, o nome da instituição era mesmo Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Soure.
.
Assim, os bombeiros de Soure contam já com 117 anos de história. Como mais vale tarde que nunca, a associação decidiu comemorar, este ano, o seu centenário. Numa das acções que visa assinalar a efeméride, realizou-se ontem o lançamento do livro “Das origens... à actualidade”. A obra, de João Paulo dos Santos Freitas, bombeiro de 2.ª classe e licenciado em História, explica todos estes pormenores da história da AHBVCS e revela, também, outras curiosidades, como o facto de o primeiro comandante da corporação (na altura com o nome de chefe do grupo) ter sido Justino da Silva Gameiro; ou que o primeiro comandante (com esse nome) foi António Alves, cuja fotografia já está junto dos restantes comandantes.
.
Para o autor, a obra presta um “singelo tributo a todos os que, ao longo de 117 anos, de forma abnegada e altruísta, zelaram pela segurança da população, nos bons e nos maus momentos”. O livro é o resultado de uma longa investigação, com grande rigor histórico. Foram também ouvidas várias pessoas que fizeram a história da instituição. “Não bastou pesquisar na Internet”, ironizou João Paulo Freitas.
.
Duarte Caldeira, presidente da direcção da Liga dos Bombeiros Portugueses, frisou que, “com a publicação deste livro, fica reposta a história”. “É um exercício de justiça à história”, reiterou.
.
O governador civil de Coimbra, Henrique Fernandes, catalogou a AHBVCS de “exemplar”, destacando o facto de esta, num contexto festivo, ter optado por “qualificar os seus recursos humanos”, referindo-se ao simpósio sobre emergência pré-hospitalar e ao seminário sobre o comportamento dos incêndios e a segurança das populações. Elogiou ainda a parceria com a Caixa de Crédito Agrícola de Pombal, que custeou a publicação do livro, afirmando que “as parcerias locais que permitam melhorar a qualidade de vida das populações são o futuro”.
.
João Gouveia, presidente da Câmara Municipal de Soure, considerou que as comemorações do centenário e o lançamento do livro transmitem uma mensagem “inequívoca e eloquente e que, quem é capaz de fazer esta história, está preparado para o futuro”.
.
.
In Diário As Beiras