Escolas de Soure querem suspensão de avaliação

. sexta-feira, 21 de março de 2008
  • Agregar a Technorati
  • Agregar a Del.icio.us
  • Agregar a DiggIt!
  • Agregar a Yahoo!
  • Agregar a Google
  • Agregar a Meneame
  • Agregar a Furl
  • Agregar a Reddit
  • Agregar a Magnolia
  • Agregar a Blinklist
  • Agregar a Blogmarks


A ministra da Educação recebeu esta quinta-feira pedidos de suspensão do processo de avaliação de professores, até ao final do ano lectivo, de presidentes de cerca de 20 agrupamentos de escolas do distrito de Coimbra, que estiveram reunidos esta quinta-feira.
.
Segundo noticia a Lusa, estes responsáveis disseram já ter entregue o documento em que é pedida a suspensão da aplicação do processo de avaliação na Comissão de Educação e Ciência da Assembleia da República por uma representação dos conselhos executivos signatários.
.
Nesse documento, citado pela agência noticiosa, os responsáveis defendem o «reatamento imediato do diálogo com a Plataforma Sindical e outras organizações representativas dos professores, a fim de analisar a situação actual e encontrar formas de entendimento».
.
«Não nos parece possível implementar uma avaliação rigorosa de professores sem que haja um prévio período experimental. Tal como acontece com a avaliação dos alunos, os critérios de avaliação dos docentes devem ser conhecidos no início do ano lectivo», sublinham.
.
A petição foi subscrita, numa primeira reunião a 11 de Março, pelos presidentes dos conselhos executivos dos Agrupamentos de Escolas de Silva Gaio, São Silvestre, Martim de Freitas, Pedrulha, Alice Gouveia, bem como das Escolas Secundárias Avelar Brotero, D.Duarte, Jaime Cortesão e Secundárias com 3.º Ciclo do Ensino Básico Infanta D. Maria e Quinta das Flores (Coimbra).
.
Posteriormente, numa reunião realizada quarta-feira na Avelar Brotero, associaram-se os Agrupamentos de Escolas de Taveiro, Ceira, Eugénio de Castro (concelho de Coimbra), Soure, Lousã, Penela, Góis, Poiares e Álvaro Viana de Lemos e Escolas Secundárias José Falcão e da Lousã.