Até já roubam os eucaliptos

. quinta-feira, 28 de agosto de 2008
  • Agregar a Technorati
  • Agregar a Del.icio.us
  • Agregar a DiggIt!
  • Agregar a Yahoo!
  • Agregar a Google
  • Agregar a Meneame
  • Agregar a Furl
  • Agregar a Reddit
  • Agregar a Magnolia
  • Agregar a Blinklist
  • Agregar a Blogmarks

.
Um grupo de ladrões cortou e furtou 1300 eucaliptos, avaliados em mais de cinco mil euros, de uma mata, em Alfarelos, no concelho de Soure, revelou ontem uma associação de produtores florestais da região.
.
As árvores, pertença de uma jovem, membro da Associação de Proprietários e Produtores Florestais do Concelho de Penela (Flopen), tinham 12 anos e deviam ser cortadas em Setembro. Os ladrões anteciparam-se, abateram os eucaliptos e carregaram a madeira "que dava para encher cinco camiões TIR", garantiu João Ribeiro, director executivo da organização.
.
"Quem fez isto sabia o que estava a fazer e conhecia bem as propriedades", adiantou o responsável, explicando que as árvores foram cortadas "por uma grande equipa com várias motosseras".
.
Os eucaliptos estavam numa mata com oito mil metros quadrados, no lugar de Alagoas, "numa zona plana, a 100 metros de casas e com bons acessos por estradas alcatroadas". O corte de uma extensão como esta demora "entre um a três dias" e, segundo João Ribeiro, deve ter sido feito "de forma natural e descontraída durante o dia", até porque "não há fiscalização".
.
A Flopen foi alertada para a situação pela proprietária a 7 de Agosto, mas o furto terá ocorrido já "na última semana de Julho".
.
A madeira – que estava numa zona de gestão certificada – teria como destino a produção de pasta de papel e renderia mais de cinco mil euros. Por isso, a Flopen enviou ofícios à Soporcel e à Celbi, questionando-as sobre "se alguém tentou vender madeira de origem duvidosa".
.
Foi apresentada queixa contra desconhecidos na GNR de Soure e enviadas exposições sobre o assunto a diversas autoridades.
.
"O nosso objectivo é alertar as pessoas para uma situação que é nova e insólita e solicitar às autoridades o policiamento da floresta", concluiu João Ribeiro.
.
In Correio da Manhã
by Cátia Vicente