Desmantelada rede de assaltos a escolas e oficinas da região

. terça-feira, 5 de agosto de 2008
  • Agregar a Technorati
  • Agregar a Del.icio.us
  • Agregar a DiggIt!
  • Agregar a Yahoo!
  • Agregar a Google
  • Agregar a Meneame
  • Agregar a Furl
  • Agregar a Reddit
  • Agregar a Magnolia
  • Agregar a Blinklist
  • Agregar a Blogmarks

As escolas e as oficinas de automóveis foram os alvos “escolhidos” por um grupo de 15 assaltantes, que terão começado a “actuar” em Outubro do ano passado e somaram um número considerável de assaltos. As fragilidades da segurança, sobretudo durante a noite, “facilitaram” a tarefa do grupo, que actuava sempre durante a noite e levava consigo tudo aquilo que pudesse ser consumido ou transaccionado.A investigação, a cargo do Núcleo de Investigação Criminal (NIC) da GNR de Montemor-o-Velho, começou em Outubro do ano passado, precisamente na sequência de um conjunto de assaltos, registados nos concelhos de Montemor e Soure, em estabelecimentos comerciais, com particular incidência nas oficinas de reparação de automóveis.
.
Mas das oficinas rapidamente os meliantes passaram para um segundo alvo, também ele fácil em termos de acesso nocturno, e, entre Janeiro e Abril, segundo fonte ligada à investigação, somaram-se os assaltos a estabelecimentos de ensino, de onde foram furtados os mais diversos tipos de equipamento, com destaque especial para computadores, retroprojectores, equipamento de imagem e som. Fazendo jus ao facto de não serem “esquisitos” na escolha do material, chegaram mesmo a levar máquinas de cortar fiambre, bem como peças inteiras deste produto, o mesmo acontecendo com queijo e ainda chocolates.
A Escola Secundária de Soure, apesar de ter guarda-nocturno, foi assaltada duas vezes, em Janeiro e, posteriormente em Abril. Ainda em Janeiro, também a EB 2,3 da Carapinheira regista uma “incursão” dos larápios e, em Abril, para além da segunda “visita” ao estabelecimento de ensino, os assaltantes “investiram” ainda na Escola Integrada de Pereira e na Escola de Taveiro. De um espaço ou de outros, levavam tudo quanto pudesse ser “trocado por euros”. Para além dos furtos, os assaltantes deixaram atrás de si um rasto de destruição nas várias escolas.
.
As investigações do NIC de Montemor-o-Velho foram tomando contornos cada vez mais precisos, apontando para um grupo de 15 indivíduos, que fazem dos assaltos o seu modo de vida. Em causa estão indivíduos com idades compreendidas entre os 20 e os 30 anos, sem profissão, alguns dos quais já estavam referenciados pelas autoridades policiais e outros que foram “descobertos” no âmbito da investigação dos 10 processos que o NIC tinha entre mãos.
.
59 militares envolvidosna operação
.
Domingo, com 15 mandados de busca em seu poder, os militares da GNR deram início a uma mega operação, que envolveu 59 homens ligados à investigação criminal e ao dispositivo de segurança distrital, contando ainda com a colaboração de quatro elementos do distrito de Aveiro. Com o apoio de 26 viaturas, a operação, desencadeada em quatro concelhos ao mesmo tempo, teve início às 7h00 e terminou ao final da manhã. Um “timing” que não foi escolhido ao acaso, de acordo com fonte ligada à investigação, uma vez que, «por ser domingo, muito provavelmente os suspeitos estariam em casa», o que se verificou. Para além dos formalismos legais, o facto de a operação ter começado às 7h00 também teve como objectivo, de acordo com a mesma fonte, surpreender os suspeitos, uma vez que habitualmente “trabalham” (negócio do crime) durante a noite e, como tal, estão mais “recolhidos” durante o dia, sobretudo logo pela manhã.
.
Segundo apurámos, os investigadores e militares da GNR concretizaram seis buscas em Condeixa, igual número em Montemor, duas em Coimbra, uma das quais na zona de Cernache, e uma em Soure. Buscas que contaram, também, com a presença de uma equipa especializada na detecção de droga, que acabou por “farejar” duas plantas de cannabis já adultas, uma das quais com mais de um metro de altura, na casa de um dos suspeitos, em Montemor-o-Velho.
.
Os 15 suspeitos apenas foram identificados, uma vez que não houve qualquer situação de flagrante. As investigações prosseguem, não apenas para conhecer os contornos do processo de furto e receptação, mas também para averiguar se os elementos desta rede estarão, também, envolvidos no furto de viaturas automóveis.
.
In Diário de Coimbra
by Manuela Ventura