Sourense e Lousanense não foram além de um empate sem golos, resultado que deixou

. segunda-feira, 8 de setembro de 2008
  • Agregar a Technorati
  • Agregar a Del.icio.us
  • Agregar a DiggIt!
  • Agregar a Yahoo!
  • Agregar a Google
  • Agregar a Meneame
  • Agregar a Furl
  • Agregar a Reddit
  • Agregar a Magnolia
  • Agregar a Blinklist
  • Agregar a Blogmarks

Dia 07 de Setembro de 2008

Sourense - o - o - Lousanense


O “derby” entre as equipas filiadas na Associação de Futebol de Coimbra na Série D da 3.ª Divisão Nacional terminou empatado sem golos. Num jogo pobre, a falta de ideias penalizou tanto Sourense, como Lousanense.
As equipas estavam com estados de alma distintos. Depois da primeira ronda do campeonato onde ambas empataram, a primeira eliminatória da Taça de Portugal ditou sortes diferentes, com o conjunto de Soure a vencer (2-0 o Avanca) e o da Lousã a perder (1-4 com o Atlético Reguengos).
Um “derby”, contudo, implica sempre motivação extra. Os visitantes não contaram com os reforços estrangeiros já anunciados, nem com o experiente médio André Correia (lesionado). Talvez por isso, o Lousanense optou por entrar com cautelas redobradas no encontro. Já a turma de Ricardo Namora procurou bem cedo causar estragos na defensiva forasteira. Zé Pedro, após bom trabalho individual, rematou à figura de Rui Neves. Um prenúncio de bom futebol que, infelizmente, não se viria a confirmar.
No ataque, Beto não conseguiu aproveitar o erro de Mané que perdeu a bola em zona proibida. O dianteiro visitante foi lento e o central Pedro conseguiu travar os seus intentos.Até ao final da primeira metade, registaram-se apenas mais duas situações. O “gigante” Sylvan, sem qualquer oposição, cabeceou ao lado para desespero dos adeptos locais. Do outro lado, Girão rematou forte, mas por cima.Após o intervalo, Ricardo Namora fez entrar o avançado Chano com o intuito de dar outra dinâmica ao ataque, mas foi o Lousanense a apresentar-se mais coeso e até a mostrar maior aptidão ofensiva.Aos poucos, contudo, o equilíbrio a meio-campo, a falta de discernimento em muitas jogadas e a ausência de ideias no capítulo ofensivo fizeram com que o tempo de arrastasse até aos 90 minutos. Excepção ao livre de Germano que embateu na trave (71m).
As duas formações continuam sem ganhar na prova, mas amealharam novo ponto, o que, refira-se, acaba por não ser negativo. Ainda assim, saíram mais felizes os visitantes.
.
In Diário de Coimbra
by Ricardo Ferreira Santos