Quebra no apoio à aquicultura baixou 35 milhões no PIDDAC

. sexta-feira, 24 de outubro de 2008
  • Agregar a Technorati
  • Agregar a Del.icio.us
  • Agregar a DiggIt!
  • Agregar a Yahoo!
  • Agregar a Google
  • Agregar a Meneame
  • Agregar a Furl
  • Agregar a Reddit
  • Agregar a Magnolia
  • Agregar a Blinklist
  • Agregar a Blogmarks

O PIDDAC (Plano de Investimento e Despesas de Desenvolvimento da Administração Central) para 2009 referente aos 17 concelhos do distrito de Coimbra tem uma redução de 35 milhões de euros em relação ao do corrente ano, com Mira a ficar novamente a zero, sem verba atribuída, e Tábua a surgir igualmente sem qualquer dotação financeira.

Do total de 140 milhões de euros para 2008, o PIDDAC destinado ao próximo ano baixa para 105 milhões de euros, constatando-se que grande parte da redução se fica a dever à quebra do apoio à aquicultura, área de actividade que este ano foi apoiada com 43 milhões de euros, nomeadamente a instalação em Mira da empresa Pescanova e que está prestes a começar a laborar.

Com este investimento no concelho, assim como a abertura recente da auto-estrada entre Leiria e Aveiro, não é de estranhar que o presidente socialista da Câmara de Mira esteja tranquilo, apesar de ser zero a dotação do PIDDAC, esperando pela concretização de pacotes financeiros contratualizados com o Governo.
.
Também em Tábua, outro concelho em que a Câmara Municipal é dirigida por uma lista socialista, o presidente da autarquia também não se mostra preocupado, dado que se encontram a decorrer e previstas várias obras no concelho, como a remodelação do Palácio da Justiça, o início da construção do novo edifício para a Segurança Social e as variantes de acesso ao IC6.
.
Quem surgiu mais queixoso foi o presidente social-democrata da Câmara de Penela, concelho que, com 26.322 euros, tem a verba mais baixa no PIDDAC para 2009, e, mesmo assim, um redução de 5.226 euros em relação ao deste ano. Abaixo da casa das centenas de milhar de euros estão, ainda, os concelhos de Góis (30.235), Montemor-o-Velho (53.491), Pampilhosa da Serra (53.934) e Miranda do Corvo (55.517).
.
Acima das dezenas de milhar, em termos de verbas previstas, estão os concelhos de Vila Nova de Poiares (529.524), Arganil (448.500), Cantanhede (275.000), Oliveira do Hospital (145.000), Soure (133.333) e Condeixa-a-Nova (134.275).
.
Os milhões de euros são destinados a apenas quatro concelhos: Penacova com 1.483.624, Lousã com 2.076.252, Figueira da Foz com 14.731.845 e Coimbra com 57.760.892.
.
Na capital do distrito o novo Hospital Pediátrico continua a levar a maior fatia (17,9 milhões de euros), enquanto que na cidade-praia sobressai a melhoria das condições de acesso ao porto (12 milhões). Em Penacova o destaque vai para a construção do novo Palácio da Justiça (1,2 milhões), enquanto que na Lousã a grande obra será a Escola Básica 1,2,3 (1 milhão de euros).
.
Escrito por Luís Santos
In Campeão das Províncias