E. Leclerc deverá investir em Soure

. terça-feira, 17 de fevereiro de 2009
  • Agregar a Technorati
  • Agregar a Del.icio.us
  • Agregar a DiggIt!
  • Agregar a Yahoo!
  • Agregar a Google
  • Agregar a Meneame
  • Agregar a Furl
  • Agregar a Reddit
  • Agregar a Magnolia
  • Agregar a Blinklist
  • Agregar a Blogmarks

O grupo de distribuição E. Leclerc Portugal, que hoje anunciou que vai abrir uma nova unidade comercial na Marinha Grande, pretende investir mais de 40 milhões de euros no país este ano.Para além do anúncio de hoje, que pressupõe um investimento de 12 milhões de euros e a criação de 150 postos de trabalho, a empresa prevê fazer um esforço financeiro maior em Portugal este ano.

"Se conseguirmos cumprir com a nossa previsão de aberturas de uma média de 4 lojas por ano, é possível que o investimento em 2009 venha mesmo a superar os valores de 2008 [ano em que o grupo investiu 40 milhões de euros]", avançou Jacques de Oliveira, presidente executivo do E. Leclerc Portugal.

Este plano de aberturas inclui Cascais e Santarém, onde o grupo "tem prevista abertura de lojas neste momento". Além disso, tem "em carteira autorizações comerciais para Paços de Ferreira, Póvoa de Lanhoso, Soure, Guarda, Covilhã, Seia, Azeitão e Viseu", acrescentou o responsável.

No que diz respeito à nova unidade comercial da Marinha Grande, projecto com sete mil metros quadrados de superfície de vendas (incluindo galeria comercial, escritórios, armazéns e zona de restauração), a construção deverá começar ainda este ano, não existindo data prevista para a abertura. O grupo tem 21 lojas com 3.500 colaboradores em Portugal e, até 2011, pretende chegar a um total de 40 espaços e mais de 70 mil metros quadrados de superfície de venda.

A estratégia vai passar por "apostar em espaços que possam servir as necessidades das populações locais", refere Jacques de Oliveira. Nesse sentido, o E. Leclerc Portugal considera "importante disponibilizar aos clientes outros serviços associados [aos hipermercados], que podem encontrar nas galerias comerciais", conclui.

In Público